GIRLS CAN | Somos nossas próprias Heroínas

Olá, Padawans! Tudo bem com vocês?

Hoje estreia a coluna Girls Can, que é uma série de postagens com depoimentos de garotas que vivem no meio do Mundo Nerd. Girls Can tem como objetivo dar espaço para garotas falarem sobre preconceitos vividos, situações e como é ser uma mulher em um meio “predominante masculino”.

Girls Can tem muito a ver com um dos objetivos do blog, evidenciar o protagonismo feminino sendo em filmes, em HQs ou em séries, mas também as que consomem e são fãs. E eu como uma mulher, fã e consumidora da Cultura Nerd, espero que aqui possa falar por muitas e abrir espaço para todas que precisarem e estiverem dispostas a falar pela causa, conquistar o nosso espaço no meio Nerd.

“Então desde quando eu era pequena eu amava heróis. Mas na minha época de escola havia um pouco dessa divisão de meninas tem que gostar de princesas e meninos de heróis. Eu amo ambos e nunca liguei para opinião dos outros por causa disso. Minha família sempre me apoiou em tudo.”(Beatriz, 18 anos)

Na sociedade é bem demarcada essa padronização de que garotas devem gostar de princesas e brincarem de bonecas, enquanto meninos gostam de heróis e brincam de carrinhos. O gênero vira um instrumento de separação de gostos e identidades. Desde pequenos ou pequenas somos condicionados a agir de acordo, onde “rosa é de menina” e “azul é de menino”. Por questões como essas, sendo homem ou mulher, é um tanto quanto difícil entrar em territórios julgados como “de menino ou de menina”. Os preconceitos ou certa resistência são os fatores que evidenciam esse problema tóxico, sendo no Mundo Nerd ou não.

“Felizmente, eu nunca sofri algum tipo de preconceito por gostar do universo de super-heróis, mas já vi como isso causa certo incômodo para o público masculino saber que uma mulher pode gostar de algo tanto quanto ele. E o pior é perceber que muitas outras áreas também acontecem a mesma coisa, como o futebol, por exemplo. Eu vejo esse preconceito muito mais no mundo dos games, onde, por vezes, é inaceitável que uma mulher saiba mais simplesmente por ser mulher. Parece que temos que provar que somos fãs, que sabemos disso porque não é possível que possamos entender de algo, culturalmente falando, pertencente ao universo masculino. Isso sem contar ainda na forma como as personagens femininas são inferiorizadas e sexualizadas nesse universo Nerd. Não tem um meio termo para o público feminino, literalmente parece ser 8 ou 80. E o problema parece ser justamente esse: ser mulher e desviar do padrão – imposto pela sociedade – do que é ser e gostar de coisas femininas.” (Thaciane, 22 anos)

Então a partir de hoje, iniciamos mais uma jornada, trazendo discussões que desrespeitem a esse público, evidenciando a perspectiva feminina. Agora aqui você vai ter o seu espaço, conto com sua participação. Para participar entre em contato na aba “contato”.

Lembre-se garota, você pode.E aí, gostou ou alguma sugestão? Deixa aí seu comentário e que a Força esteja com você.